Denise Severgnini

 

A Autora faleceu dia 08 Janeiro 2013

Ora assino meus poemas como Denise Souza ou como Denise Severgnini.
Eu nasci em Porto Alegre, em 19 de março de 1959 e moro em Lomba Grande, zona rural de Novo Hamburgo.
Sou casada com Márcio Prass e não tenho filhos.
Sou graduada em Biologia pela UFRGS.
Sou professora da rede municipal de ensino de Novo Hamburgo, nas disciplinas de Ciências, Artes e Matemática.
Desde pequena gostei de escrever.Em 1983, participei de duas coletâneas Fresta na janela e Cacos de Luar.
Por mais de 20 anos fiquei afastada dos escritos poéticos, retornando em 2004, quando comecei a publicar poemas no site da Notívaga Noturna.
Desta data em diante, continuei a escrever e a publicar meus poemas em sites próprios(http://denisesevergnini.multiply.com ) ou em sites de outros poetas virtuais.
 

MORRENDO DO PRAZER

Denise Severgnini


Inexplicável sentir de mãos que percorrem um corpo lentamente

Desvendando caminhos que ele próprio desconhece

Como mapa de tesouro, vai seguindo, percorrendo as trilhas que levam à saciedade suprema

Como a luz que dirige o náufrago à vida, suaves mãos conduzem o corpo ao imenso prazer do sentir amor

Derramam bênçãos de sentimentos mágicos sobre lençóis de céu

Duas vidas, num instante fazem-se una – conjunção carnal-, de onde a alma não fica oculta

Manifesta-se na felicidade sentida...Dá para morrer nesta hora

E morrendo do prazer, render-se a tudo o que te liga ao ser amado

Quero morrer, morrer de amor, morrer de prazer e ressuscitar cada dia mais, a fim de viver muito, muito mais amor!!!



MEUS LÁBIOS BEIJAM O VENTO

Denise Severgnini

Dei-te meus lábios sedentos de amor

Mas ignoraste-os.Outras bocas saciavam

Teus instintos de homem...deixo assim ser

Sofro, mas ofereço meus lábios ao vento

A maestria deste elemento dá-me a paz

Amor não correspondido, nunca satisfaz

A suavidade do ar seca meu pranto

Como folha em branco deixo-me levar

O beijo do vento , sereno e calmo ,acalma

A dor do abandono feito por ti...



Meus lábios beijam o vento que tem esperança
Amor vem, amor vai... transmuta-se...

O beijo do vento far-se-á lembrança

Quando novo amor aportar no meu coração

Neste novo tempo, será cais tranqüilo...



Por enquanto, beijo o vento

E tu, tu és apenas um vago pensamento


Novo Hamburgo/RS

 

QUANDO HÁ BELEZA HÁ LUZ


Denise Severgnini

Se meus olhos abrem-se ao alvor da aurora

Há uma luz esplendorosa que os fazem doer

Mas é dor de felicidade por ver beleza

Como é bom estar vivo e dar importância ao ar,

Saber assobiar aquela canção de ninar maternal

Sentar numa mesa e abrir o jornal,tão pouco

Mas há beleza nestas pequenas coisas, há luz

Nos olhos daqueles que vêem a verdade pela

Primeira vez.naqueles que sentem amor e paz

Até no rapaz que conquistou sua guria e vibra

Há beleza no beijo roubado de primeiro namorado

Há luz nas estrelas que cintilam seu brilho,

No trilho do caminhante esquecido, mas não perdido

Há beleza, há luz, há gente que ama e que vive

Mas quem sobrevive, ainda assim pode ser

Que ache um caminho melhor, [com mais luz ao redor]

Que assim seja a todo viajor, que tenha a luz

Da estrela guia e de Jesus a beleza do amor.

Novo Hamburgo/RS

   

Art: Nadir A D'Onofrio
Respeite os Direitos Autorais