Aldeia.....ESPERANÇA

Nadir A D'Onofrio
/Denise Severgnini
 

 




O vento gélido, cortante

COMO ESTA SOMBRA QUE SE FAZ ALUCINANTE
Sibila sobre a aldeia deserta,

ECOANDO, N’ALMA SOFRIDA, QUE DESPERTA
O BADALAR DOS SINOS DAS “IGLESIAS”

VENTO, TUA ESSÊNCIA...

Causando erosão nas falésias,
Triste ausência...

Lembranças de uma vida feliz

SEM TRISTEZAS, E HUMANOS ARDIS
Que o mar, impiedoso estragou!

COMO UM TOQUE DE MAGIA.
Quisera desabrochar alegria,

COMO ÁGUA LÍMPIDA DO CHAFARIZ...
Como flores primaveris...


Mas o inverno entorpece
O corpo debilitado.



ENTONTECE

O CORAÇÃO DESAVISADO
Urge hibernar meus pensamentos,

CONGELÁ-LOS POR MOMENTOS

Esperar o verão chegar...

E NOVAMENTE A VIDA ACORDAR
Quando as aves, aqui pousarem

EM CANTILENAS, MELODIAS ENTOAREM

Acasalando, fazendo ninhos,

(EU ABRIR-ME-EI EM CARINHOS)
A esperança em mim renascerá,

NÃO SERÁ APENAS LEMBRANÇA
Esperando você regressar...

E TODO O MEU AMOR VOU TE DAR



Santos /SP
___________ Novo Hamburgo/ RS

02/05/2005 14:13 _____________
05/10/2005 20:00
 

  

Mid: Somewheintime
Art Nadir A D'Onofrio
Respeite os Direitos Autorais