Reencontro de um Amor
Nadir
A D'Onofrio


 
O tempo passou as lembranças ficaram,
saudade de momentos bons, é válido recordar, porque não!
Se no tempo eu pudesse voltar levaria comigo o presente, e você... inserido nele, olhos de águia, que nunca esqueci!
Nas voltas decorridas escapei de suas mãos,
vaguei por tantas avenidas ouvindo, sempre, a nossa canção...
Conheci outros pares vivenciei novas ilusões.
Eram seres apresentáveis, no conteúdo... sempre vazios!

A busca incessante pelas noites, ante o colorido do néon, na pista de dança, quando o efeito estroboscópico enganava, entre, o agito de corpos em movimento, a ilusão de tê-lo encontrado.
Repetiam-se os dias entrava primavera saia o verão aumentando, a melancolia na estação outonal,
a roda do tempo girando, sem cessar!
Foi só no inverno da vida que, o destino nos aproximou, no encontro sem procura, meramente casual.
Que ironia, ao aumentarem-se os dias pela espera desejada, lamentavelmente subtraiu-se...
as horas felizes, que nos restam...
Fica uma pergunta no éter:

Por quê nos perdemos, se nos amamos, desde que nascemos?
 
Nadir A D'Onofrio 
09/08/2009*02:20 h
Serra Negra /SP


Imagem Net, sem constar direitos autorais

Respeite Direitos Autorais


Livro Visitas

 

 

Mid: More Than a Woman
Imagens obtidas na Net, sem constar restrição de uso
Art: Nadir A D'Onofrio
Respeite Direitos Autorais