NAU SOLIDÃO

Nadir A D'Onofrio


Meu barco é de ilusões,
Velas sempre enfunadas!
Singrando mares, cavalgando ondas...
Tenho pressa de chegar.
Na melodia do vento,
Que as ondas acariciam
Ouço teu comando, Norte ou Sul?
Leste ou Oeste?
A bússola...deixou de funcionar !
Aturdida, fico à deriva,
Nem a carta náutica consigo utilizar...
Nela só vejo seu rosto,
Nas coordenadas teu nome.
Abre-se sobre o mar,
O breu tenebroso da noite.
Não visualizo o cruzeiro do sul...
Terei tempestade ou calmaria?
Instintivamente giro o leme,
Tento encontrar minha rota.
Em barco de amor transformar,
Essa nau chamada solidão!


Mas e você, nobre capitão?


Estará no porto a esperar-me?
Ou será que, quando eu lá aportar,
A mesma estória se repetirá?
De ouvir ao longe um apito,
E mais uma vez, decepcionada,
Coração oprimido, lágrimas que teimam
Pelo rosto deslizar tentando, compreender...
Uma realidade, que recusarei aceitar.
Com os obstáculos surgidos,
Novamente...
Retardar minha chegada.
E no antigo cais, só restará
Acenar, seu barco...
Mais uma vez, acaba de zarpar.
Se isso acontecer,
Juro-te meu capitão!
Verás uma cena de pirataria,
Do cais, teu barco partiu
Da barra, ele não sairá...
Pois, para minha nau,
Você terá que passar!
O que acontecerá depois?
Só o tempo dirá...

06/08/2004
Santos SP

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


EXISTE O MAR

Nadir A D'Onofrio


Existe o mar!
Entre eu e você.
Trazendo-me lampejos de saudade e dor.
Nas vagas que explodem na arrebentação,
Interpreto como gritos de angustia, terror...

Existe o mar!
Sempre a lembrar-me que você, lá ficou,
O cheiro da maresia o sal.
A jangada o pescador,
Esta rede, embaralhando os pensamentos meus.

Existe o mar!
Para lembrar-me quão distante estás!
Nas tormentas que agitam os vagalhões,
Ouço sempre o pulsar do teu coração.
Mar calmo, lembra as caricias das tuas mãos...

Existe o mar!
Sua imensidão não me apavora,
Instiga-me a procurar-te.
Do outro lado do oceano, sei que estás.
Como se ouvisse tua voz, meu nome chamar...

Existe o mar!
Com jardins diferentes,
Onde desabrocham corais.
Brotam perolas advindas do sofrimento,
Do grão da areia que na concha penetrou.

Existe o mar!
Um mar de amor!
Onde casais se amam,
Onde a vida pulula.
Nesse momento penso, em você...

Existe o mar!
Para lembrar que ali a vida iniciou.
Que suas águas embalam os seres,
Como líquido amniótico protege o feto.
Eu vivo de um sonho...aconchegar você!

09/08/2004 21:11
Santos SP

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Velho Lobo do Mar

Nadir A D'Onofrio


Hoje o encontrei novamente!
Sentado olhar perdido,
absorto em pensamentos.
Pele queimada, castigada pelo sol,
mãos calejadas...

Parei a sua frente,
Só que ele não viu.
Do mar que ele tanto amava,
Beleza...ele não mais visualizava.
Somente o rumor escutava.

O destino tirou-lhe tudo!
Mocidade agilidade, visão,
tirou sonhos, fantasias.
Levou também seu amor,
petrificou seu coração...

Passa as horas calado,
sentado à beira do rochedo.
De uma coisa ele não abre mão...
Quer sentir a maré...banhar os seus pés,
deixar o pensamento vagar...

Lembrar da Maria Rita,
paixão da sua vida.
E de João Pedro...
filho querido que ela lhe deu.
Futuro pescador...seria seu sucessor!

Por ironia do destino,
o maior tesouro do velho lobo,
esse mesmo mar...carregou...
Surgiu, um ponto de interrogação em sua vida,
Solidão...foi tudo que o mar...deixou!

24/09/2004
23:40
Santos SP

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Lágrimas

Nadir A D’Onofrio


Lágrimas que rolam
Sem conseguir conter
Hoje, não por tristeza
Ira ou depressão
São lágrimas compulsivas
Rolando em profusão
Gotas cristalinas
Brotando em mim... nascente
Correm ávidas em busca de um rio
Que as leve de encontro ao mar...

07/01/2006
Santos SP

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

VENDAVAL

Nadir A D'Onofrio


Interpretações errôneas
Panacéias de indagações
Rotas mal calculadas
Levam o barco à deriva
Vagas lambendo o convés
Ventos acoitam sem dó
Eu, pobre mortal a mercê
Da sorte, que teima deixar-me
Negrume das nuvens aterroriza
Entro em comunhão com meu eu...
Lutarei até o final, p'ra sobreviver
Que venha sobre mim
Mais esse vendaval!
Flagele o corpo debilitado...
Contudo!
Não extinguirá minha fé!
Lutarei, contra a legião opressora
Vejo a LUZ que eles não conseguem ver...

11/08/2006 18:57
Santos SP

                  

 

Livro Visitas

 

Imagem:http://garrafive.dehumanizer.com/wp-content/uploads/2007/03/veleiro.jpg

Mid:edit_piaf_beyond_the_sea_la_mer
Art: Nadir A D'Onofrio
Respeite Direitos Autorais