Tonho França

Nadir A D'Onofrio e Edna Feitosa

 

                   

 

DESCRENÇA


No branco da hóstia santa,
no tinto do vinho amargo
Eu me confesso perdido.
Não me encontro nos confessionários
no ermo escuro fé
quase sempre tropeço.
Na prepotência do que não espero,
na onipotência do que não enxergo,
eu sempre me despeço.
Pela falta de verdades absolutas
sinto-me tonto entre o azul do errado
e a rigidez natural do certo.
Vejo-me em calmarias e tempestades
entre pradarias e desertos.
E percebo o demônio dentro do anjo
e o anjo que o demônio contém,
e as pessoas em filas, não vêem
Não mudam, e mudas, só dizem AMÉM.

TONHO FRANÇA.
 

                   


CRENÇA

Nadir A D’Onofrio


Água e farinha
Massa manipulada,
Hóstia moldada.
No vinho tinto,
Escondo pecado,
Na crença,
Votos de celibato.
Entrego a vida,
Sou noviça,
Quase monja...
Hinos entoando,
Penitências praticando.
Silêncio do claustro
A luz no vitral
O coral da liturgia
Induz a meditação
À noite!
Cela vazia...
Eu e meus pensamentos
Devassos, insanos...
Lua cheia!
A fé se esvai o clamor do corpo,
O fogo latente,
A presença ausente...
O rosto másculo...sempre ele...
Infernizando, torturando a mente,
Bruxo, mago, demônio,
Venha faça-se presente!
No sacrossanto ritual, entrego-me
Como a lei de Deus ensinou.
Crescei e multiplicai-vos
Seremos unos nessa fusão.
Logo mais... eu você e mais um,
Noviciado ficará para trás...

14/02/2006 17:46
Santos


                   

 

QUASE DESCRENÇA


Ainda não consigo acreditar!

Minh´alma começa a clarear

Meu coração machucado, começa a cicatrizar

Meu corpo pesado, doído, já tende a flutuar...


Ainda não consigo acreditar!

Meu pranto parou de rolar

Minhas mãos voltaram a trabalhar

Minhas músicas prediletas estão de novo no ar.


Ainda não consigo acreditar

Que, apesar dos desenganos,

Ainda ouso sonhar...


Percebo e preciso acreditar

que, mais uma vez, cheia de planos,

estou serena a caminhar!


Edna Feitosa


                   
 


Art: Nadir A D'Onofrio
Respeite os Direitos Autorais